Categoria: Notícias

Capes-recebe-um-quarto-do-valor-bloqueado-para-bolsas.jpg
9 de dezembro de 2022

Mesmo isolado, deprimido pela derrota eleitoral e com medo de ser preso após deixar a Presidência, Jair Bolsonaro segue atacando a educação até os minutos finais de seu mandato, como explicitam os cortes no orçamento do MEC anunciados no início de dezembro.

Nesta quinta-feira (8), a pasta liberou uma pequena parte dos valores bloqueados: R$ 50 milhões, mas só para pagar as bolsas da educação básica.

Os bolsistas de mestrado, doutorado e pós-doutorado seguem fazendo pressão para que a Capes receba os R$ 150 milhões que faltam para contemplar os pesquisadores de pós-graduação no país.

A presidente da Capes, Cláudia de Toledo, que foi indicada pelo ex-ministro Milton Ribeiro (preso em junho por corrupção), afirmou que o MEC prometeu liberar o restante dos recursos e que o pagamento será feito dia 13.

O governo ainda não se comprometeu em devolver o restante dos recursos que retirou do MEC. A pasta diz que conseguiu recuperar cerca de R$ 460 milhões. Ainda faltarão mais de R$ 900 milhões.

 

Na pressão

Na quarta-feira (7), a ANPG (Associação Nacional de Pós-Graduandos), a UNE (União Nacional dos Estudantes) e a Ubes (União Brasileira dos Estudantes) entraram com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) requisitando o desbloqueio das verbas da educação, congeladas por Bolsonaro.

Relator do caso, o ministro Dias Toffoli deu um prazo de 72 horas para que o Governo Federal preste esclarecimentos sobre a questão.

A pressão foi fundamental para o MEC liberar parte dos recursos bloqueados. Ainda assim,

 

Residentes

Os cortes orçamentários no MEC também colocaram em risco o pagamento dos cerca de 14 mil médicos residentes que trabalham em hospitais universitários federais.

A residência médica é um tipo de pós-graduação e seriam necessários R$ 65 milhões para as remunerações de dezembro.

O Conselho Federal de Medicina (CFM), autarquia que regulamenta a profissão e, muitas vezes, tenta ocupar o papel de representação profissional, divulgou nota lacônica sobre o fato. Vale lembrar que o CFM assumiu papel vergonhoso durante a pandemia de Covid-19, apoiando ações negacionistas do governo Bolsonaro, especialmente no uso da cloroquina (comprovadamente ineficiente para a doença), e silenciou sobre falsos tratamentos – fato que levantou muitas dúvidas sobre o comprometimento dos dirigentes do órgão).

 

Fonte: APUFPR

APUFPR-Expediente-copa-sexta.jpg
8 de dezembro de 2022

Na sexta-feira (9), a seleção brasileira de futebol enfrenta a seleção da Croácia pelas quartas de final da Copa do Mundo do Qatar.

Como o jogo será ao meio-dia (12h) e a duração pode variar (caso haja prorrogação ou a partida seja decidida nos pênaltis, por exemplo), as sedes da APUFPR não terão atendimento neste dia.

Na segunda-feira (12), o expediente será normal (veja em https://apufpr.org.br/contatos).

APUFPR-Corte-bolsa-capes.jpg
7 de dezembro de 2022

Após a derrota nas eleições de 30 de outubro, o presidente Jair Bolsonaro se escondeu (trabalhar nunca foi uma prioridade para ele) e se recolheu a um silêncio choroso (certamente com medo de ser preso pelos diversos crimes que cometeu). Mas isso não impediu seu governo de continuar aplicando maldades, especialmente contra a comunidade acadêmica.

Não bastasse ter “limpado” o caixa das universidades federais, comprometendo a capacidade de as instituições pagarem contas básicas, o governo estrangulou a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), que afirma que não conseguirá pagar as mais de 200 mil bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado.

A entidade, que é subordinada ao Ministério da Educação (MEC), também afirma que terá dificuldades para sua manutenção administrativa.

 

Vingança?

Faltando pouco mais de 3 semanas para o fim de seu nefasto governo, Bolsonaro e sua turma seguem com sua cartilha de crueldade contra a educação e o setor de produção do conhecimento, que são campos que não se dobraram ao negacionismo, à violência e ao projeto de morte que Bolsonaro tentou implementar no país.

Será uma vingança contra aqueles que resistiram e fizeram um corajoso combate contra os discursos anticientíficos de Bolsonaro e seus seguidores? É inegável que as comunidades acadêmica e científica desmontaram as argumentações bolsonaristas, com fatos e dados concretos, e mostraram que o projeto de poder dos extremistas era um mal que deveria ser interrompido.

 

UFPR
Segundo o portal Siga UFPR, há 1.782 bolsistas da Capes na UFPR, nas diferentes modalidades. Eles não receberão o pagamento que estava previsto para hoje (7).

 

Penúria

A penúria causada por Bolsonaro na Educação foi reconhecida pelo próprio ministro Victor Godoy, que se reuniu com a equipe de transição do futuro governo Lula e disse estar buscando negociações com os ministros Paulo Guedes (Economia) e Ciro Nogueira (Casa Civil, aquele que virou piada ao dizer que Bolsonaro era um sujeito “sensível”) para tentar garantir a execução mínima das ações de sua pasta.

Segundo a determinação do Governo Federal, o MEC só poderá executar em dezembro seus gastos obrigatórios, como salários, ignorando as chamadas despesas discricionárias, que são variáveis, mas essenciais para o funcionamento das instituições. Desses recursos é que são pagas as contas de energia elétrica, serviços terceirizados (segurança, limpeza e alimentação, por exemplo), bolsas para estudantes em situação de vulnerabilidade econômica, projetos de pesquisa, bolsistas e outros.

No desespero para tentar se reeleger (e escapar da prisão), Bolsonaro deixou um rombo de centenas de bilhões de reais nos cofres do governo. Agora, tenta repor o caixa, retirando recursos de áreas importantes, como a educação, ciência e tecnologia.

Fica cada vez mais evidente que as maldades da gestão Bolsonaro só acabarão quando seu governo chegar ao fim, mas o legado de destruição ainda deixará muito sofrimento para nosso país superar.

 

Fonte: APUFPR

APUFPR-3°-ENCONTRO-APOSENTAR-SITE.jpg
7 de dezembro de 2022

No dia 14 de dezembro, às 19h, será realizado o terceiro e último encontro das oficinas de saúde mental da APUFPR voltadas ao grupo de docentes que planejam se aposentar.

O outro grupo, formado por profissionais já aposentados, terá sua terceira e última sessão na sexta-feira.

Assim como nas reuniões anteriores, o encontro do dia 14 acontecerá será por meio da plataforma Zoom, aprofundando o diálogo sobre as mudanças decorrentes do processo de aposentadoria, com seus novos desafios e oportunidades.

A oficina terá a mediação dos psicólogos Larissa de Lima Coelho Barbosa e Daniel Luca Dassan da Silva e pode ser acessada por meio do seguinte link:

https://us02web.zoom.us/meeting/register/tZctce2orToiH9P7igOe3zkZpsDRz0pd6JrW

A confirmação será enviada para o e-mail cadastrado na hora da inscrição. Quem não receber o link, deve procurar na caixa de SPAM do e-mail. Se mesmo assim tiver algum problema, pode falar conosco pelo WhatsApp (41) 9508-3760.

 

Fonte: APUFPR

APUFPR-governo-Bolsonaro-deixa-universidades-sem-recursos.jpg
6 de dezembro de 2022

No apagar das luzes de seu governo, Bolsonaro continua colocando o funcionamento das universidades federais em risco. Dessa vez, pouco depois de liberar os recursos do Ministério da Educação que havia cortado, o governo resolveu “limpar” as contas das instituições.

Na quinta-feira (1), após muita pressão, o governo havia restituído os R$ 344 milhões bloqueados do orçamento das universidades e dos institutos federais. Apenas 6 horas depois, o governo resolveu tirar mais recursos dos caixas das instituições: R$ 431 milhões, que seriam usados para pagar contas básica, projetos de pesquisas, bolsas e programas para permanência de estudantes em situação de vulnerabilidade econômica.

Ao lado de outras instituições, a APUFPR vem protagonizando a luta contra os cortes orçamentários. Em vídeo, a vice-presidente do sindicato, Andréa Stinghen faz duras críticas ao projeto de destruição das universidades que o governo de Jair Bolsonaro vem tentando implementar.

 

Fonte: APUFPR

APUFPR-Santa-Monica-SITE.jpg
6 de dezembro de 2022

Em mais uma iniciativa visando o bem-estar e o lazer de seus filiados e suas famílias, a APUFPR acaba de firmar uma parceria com o Santa Mônica Clube de Campo, o maior clube da América Latina.

Por meio deste convênio, nossos filiados e nossas filiadas terão adesão imediata ao Clube sem a necessidade de adquirir um título, pois este já foi custeado pela APUFPR. O filiado adere arcando apenas com as mensalidades.

Fundado em 1961 e com área de cerca de 2 milhões de metros quadrados, incluindo muita área verde, o Santa Mônica está localizado a poucos minutos do Centro de Curitiba e propicia inúmeras oportunidades de esporte, lazer e descanso, oferecendo a incrível possibilidade de se desfrutar o ambiente de um clube de campo em meio à paisagem urbana.

A Taxa de Manutenção e Desenvolvimento (TMD) do clube em 2023 estará em R$ 498,00 mensais por grupo familiar – um grupo familiar pode ser composto por casal, filhos/enteados solteiros até os 25 anos e pais/sogros/avós com 65 anos ou mais.

Os documentos necessários para adesão são: RG/CPF (titular); Certidão de Casamento/União Estável do cônjuge; RG/CPF (cônjuge) Comprovante de Residência; RG/CPF (filhos, pais, sogros ou avós).

 

Benefícios e estrutura do clube

Associando-se ao Santa Mônica, docentes filiados à APUFPR podem ter acesso às diversas atividades e benefícios incluídos na mensalidade: academia, acesso à churrasqueira, parque aquático, futebol, recreação para crianças, ginásio poliesportivo, pista de skate e bicicross, quadras de tênis, piscinas e até uma área para pesca.

O clube também oferece aulas em diversas modalidades como Pilates, natação e outras com um custo adicional subsidiado.

Veja mais informações no site do Santa Mônica e aproveite mais essa oportunidade oferecida pela APUFPR a seus filiados!

https://santamonica.rec.br/

 

Fonte: APUFPR

 

APUFPR-Natal-sem-fome-toledo-SITE.jpg
5 de dezembro de 2022

O governo de Jair Bolsonaro chega ao fim com 10 milhões de brasileiros a mais vivendo na miséria do que quando começou. A fome passou a fazer parte da vida de milhões de famílias. Para ajudar a reduzir o sofrimento de paranaenses em situação insegurança alimentar neste final de ano, a APUFPR está apoiando, novamente, a campanha Natal Sem Fome, com um posto de coleta de doações também em Toledo.

Alimentos não perecíveis podem ser entregues até o dia 14 de dezembro no Campus Toledo da UFPR, que fica na Avenida Max Planck, 3796, no Biopark.

Brinquedos novos também podem ser doados.

É possível também realizar doações por meio do seguinte PIX (CNPJ): 47.620.465/0001-09

Organizada desde 1994 por instituições e ONGs, como a Ação da Cidadania, a campanha Natal Sem Fome já ajudou cerca de 22 milhões de pessoas no Brasil, com 36 milhões de quilos de alimentos doados.

Colabore você também!

 

Fonte: APUFPR

APUFPR-Camapanha-natal-palotina.jpeg
2 de dezembro de 2022

Após o desastre social, sanitário, econômico e político ocasionado pelos quatro anos de governo de Jair Bolsonaro, a fome e a miséria voltaram a fazer parte do dia a dia de dezenas de milhões de brasileiras e brasileiros.

Para reduzir o impacto das mazelas geradas pelo bolsonarismo, a APUFPR está arrecadando doações para a campanha Natal Sem Fome no setor Palotina.

Desde 1994, a campanha Natal Sem Fome já ajudou cerca de 22 milhões de pessoas em todo o país. A APUFPR vem apoiando a iniciativa nos últimos anos, sempre com bastante adesão dos docentes.

As doações neste ano poderão ser feitas até o dia 14 de dezembro, nas portarias do setor Palotina. Confira os postos de coleta abaixo e participe:

 

Setor Palotina da UFPR

Rua Pioneiro, 2153 – Jd. Dallas

 

Fonte: APUFPR

APUFPR-Campanha-natal-jandaia-do-sul.jpeg
2 de dezembro de 2022

O fim do ano se aproxima e com ele também a animação e a ansiedade para as comemorações natalinas e de ano novo com familiares e amigos. Mas, infelizmente, nem todos os brasileiros têm esse privilégio por conta da miséria e da fome, agravadas durante o governo de Jair Bolsonaro.

Para ajudar a mitigar a insegurança alimentar de famílias brasileiras e também contribuir para um fim de ano melhor para essas parcelas fragilizadas da sociedade, a APUFPR está arrecadando doações em Jandaia do Sul para a campanha Natal Sem Fome.

Criada em 1994 pela ONG Ação da Cidadania, a campanha é considerada uma das maiores mobilizações da sociedade civil brasileira e já ajudou ao menos 22 milhões de pessoas nesses anos, com mais de 36 milhões de quilos de alimentos arrecadados.

Para colaborar, leve suas doações, até o dia 14 de dezembro, para algum dos seguintes postos de coleta:

 

Sede da APUFPR em Jandaia do Sul

Rua José Francisco Borges, 1610 – Jardim Universitário

 

UFPR – Campus Jandaia do Sul

Rua Dr. João Maximiniano, 426 – Jardim Universitário

 

Fonte: APUFPR


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS