Governo corta mais de R$ 1 bilhão da ciência e garante Orçamento Secreto

14 de outubro de 2022
APUFPR-Cortes-ciencia-orcamento-secreto-REDES.jpg

Bolsonaro confisca o FNDCT, principal fundo de financiamento da Ciência. Este é o terceiro ataque do governo contra esse recurso da produção científica

 

Mesmo com grandes chances de ser derrotado no segundo turno, o presidente da República, Jair Bolsonaro, corta ainda mais recursos para a produção de conhecimento nacional. O governo publicou três portarias que retiram R$ 1,2 bilhão do Fundo Nacional do Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

Esse fundo é um instrumento estratégico para financiar o desenvolvimento científico e tecnológico brasileiro – incluindo institutos federais de pesquisas e créditos para empresas que desejam realizar pesquisa.

Não é a primeira vez que o presidente tenta fazer isso. Mas é sintomático que tenha acontecido no meio do segundo turno, mesmo sabendo que esse tipo de decisão tem impacto negativo na opinião pública. No cálculo do presidente e de sua equipe, talvez valha mais a pena desviar esses recursos para o Centrão, em troca de apoios políticos, do que preservar sua imagem perante o conjunto da sociedade.

Em julho deste ano, o governo tentou incluir uma brecha para bloquear mais de R$ 2,5 bilhões para o fundo, mas a medida foi barrada pelo Congresso.

Pouco mais de um mês depois, no final de agosto, o governo editou a Medida Provisória (MP) 1.136/2022, que permite cortar verbas na área de ciência e tecnologia, redirecionando o espaço no Orçamento para acomodar outras despesas, incluindo emendas parlamentares (e o chamado Orçamento Secreto, que abastece esquemas de corrupção Brasil afora).

E agora, o governo encontrou o caminho mais autoritário e, por meio de três portarias com efeito imediato, desvia recursos da ciência para outras finalidades, reduzindo o já estrangulado financiamento científico.

Mais um indício do que aconteceria com todo o setor de produção do conhecimento, caso esse projeto de poder seja mantido.

 

Fonte: APUFPR


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS