Categoria: Comunicação

APUFPR-BAR-DOCE-BAR-MINIATURA-IGTV-.jpg
30 de setembro de 2019

Coisa boa!

O confortável espaço de confraternização dos docentes da UFPR voltou com tudo: a reabertura do Bar Doce Bar, ontem (26), foi um sucesso. Boa comida, bom papo, bons drinks.

Aguardado com grande expectativa, o retorno possibilitou uma comemoração a mais: o aniversário de um colega professor.

Professores de diferentes departamentos da universidade e seus familiares ainda puderam aproveitar deliciosos petiscos.

O Bar Doce Bar seguirá o atendimento às quintas-feiras, das 17h às 24h.

Não conseguiu dar uma passadinha na reabertura? Então, aproveite nossos aperitivos: para ver as fotos, clique aqui. E, no vídeo abaixo, você dá uma olhada na agradável noite de ontem do Bar Doce Bar:

Reabertura do Bar Doce Bar

O #BarDoceBar voltou com tudo! Não conseguiu dar uma passadinha na reabertura? Então, temos um aperitivo! Assista o vídeo dessa festa:

Publicado por APUFPR-SSind – Associação dos Professores da UFPR em Segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Bar Doce Bar

Atendimento: toda quinta-feira

Horário: das 17h às 24h

Local: sede da APUFPR | Rua Doutor Alcides Vieira Arcoverde, 1193 – Jardim das Américas

21 de novembro de 2018

21630 - Assembleia POSTA diretoria da APUFPR-SSind está convocando todos os docentes para a Assembleia Geral Extraordinária, que será realizada no dia 28 de novembro, às 16h30, no auditório da seção sindical.

Nessa data, os docentes irão organizar a mobilização para o Dia Nacional de Luta em Defesa da Educação, que irá acontecer no início de dezembro deste ano. O movimento está sendo organizado pelo ANDES-SN, em parceria com outras entidades.

Além da luta pela educação pública, as atividades desenvolvidas no Dia Nacional de Luta também irão relembrar a defesa da democracia e da Constituição Federal.

A Assembleia Geral Extraordinária também irá definir os nomes dos delegados que irão representar a seção sindical no 38º Congresso Nacional do ANDES-SN. O evento acontecerá entre 28 de janeiro e 2 de fevereiro de 2019, em Belém, capital do Pará.

Serviço

Assembleia Geral Extraordinária

Data: 28/11/2018 (quarta-feira)

Horário: 16h30

Pauta: 1) Informes;

2) Organização da mobilização para o Dia Nacional de Luta em Defesa da Educação;

3) Eleição de delegados para o 38º Congresso do ANDES-SN;

4) Outros assuntos

Local: Auditório da APUFPR-SSind (Rua Doutor Alcides Vieira Arcoverde, 1193 – Jardim das Américas – Curitiba – PR)

Fonte: APUFPR-SSind

9 de outubro de 2018

09-OUTEm reunião conjunta realizada em Brasília (DF) na terça-feira (9), os Setores das Instituições Federais de Ensino (Ifes) e das Instituições Estaduais e Municipais de Ensino (Iees/Imes) do ANDES-SN indicaram às seções sindicais a realização de rodada de assembleias docentes entre 10 e 17 de outubro. Representantes de 28 seções sindicais participaram da reunião.

A reunião realizada nesta terça indicou que as assembleias deverão pautar: 1) Encaminhar a construção da mais ampla unidade dos trabalhadores e trabalhadoras para defender a democracia, os direitos e a universidade pública e combater o fascismo;

2) Discutir a conjuntura eleitoral na perspectiva de combate ao fascismo e remeter posição para a reunião unificada dos setores, a ser realizada em 18 de outubro; essa unidade deve ser feita com a construção de frentes antifascistas; Debater a conjuntura eleitoral a fim de definir posição e estratégia de combate ao fascismo no país para remeter à reunião dos setores no dia 18 de outubro.

As posições definidas nas assembleias de base das seções sindicais serão levadas à nova reunião conjunta dos Setores das Ifes e das Iees/Imes. Essa nova reunião será realizada em 18 de outubro, também na capital federal.

Antonio Gonçalves, presidente do ANDES-SN, avalia que foi importante o Sindicato Nacional realizar uma reunião para debater a situação política brasileira, de recrudescimento do conservadorismo. O docente ressalta que é fundamental que a categoria compareça às assembleias convocadas por suas respectivas seções sindicais para aprofundar o debate sobre as formas de combater o fascismo.

“Teremos uma rodada de assembleia até 17 de outubro. Nessas assembleias, discutiremos quais táticas serão utilizadas para construir uma frente antifascista”, disse.

Segundo Antonio Gonçalves, o objetivo é construir essa frente a partir da leitura da conjuntura: “o movimento fascista está ganhando força no Brasil, e não apenas no aspecto eleitoral”, avaliou.

“A reunião foi boa, com a presença de 28 seções sindicais. No dia 18 teremos o resultado das assembleias e poremos encaminhar para a base as diversas táticas que foram discutidas”, concluiu.

Debate de manhã

Na parte da manhã da reunião dos setores, a diretoria do ANDES-SN apresentou uma proposta de texto político sobre a conjuntura eleitoral, após o primeiro turno, aos presentes. O texto ressalta a gravidade da conjuntura atual, de uma crise que não é apenas política, mas social, cultural e econômica.

A proposta da diretoria reafirma a importância do Sindicato Nacional nessas décadas de luta a favor da categoria docente e da classe trabalhadora. “Neste momento, em que o cenário eleitoral expressa uma disputa entre frações da burguesia, protofascismo e projetos de conciliação de classe, é necessário reafirmar as posições históricas do ANDES-SN, analisar com precisão a conjuntura e definir ações para o período do segundo turno das eleições”, diz um trecho da nota.

“Ao mesmo tempo em que as manifestações contra o fascismo ganharam as ruas, nas inúmeras e numerosas manifestações do dia 29 de setembro de 2018, sob o chamado #EleNão, também identificamos o crescimento de ações ofensivas, de perseguição, de agressões e um conjunto de fake news que tenham difundir a desesperança e o ódio”.

Saiba mais:

Reunião conjunta no ANDES-SN debate o cenário político brasileiro

Fonte: ANDES-SN
22 de fevereiro de 2018

UnB

A diretoria da Associação dos Professores da Universidade Federal do Paraná (APUFPR-SSind), Seção Sindical do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN), manifesta mais uma vez seu repúdio ao ataque à liberdade e a autonomia universitária. A liberdade de discussão LIVRE é o pressuposto da universidade. Não podemos permitir qualquer ataque a essa liberdade.

Assim, entendemos que a ação do Ministério da Educação que busca apurar por meio do que chama “improbidade administrativa” a oferta de uma disciplina de pós-graduação, é um ataque que busca REPRIMIR a liberdade de ensino e a liberdade do docente da referida disciplina, Luis Felipe Miguel. Trata-se de um ataque à liberdade e autonomia universitária.

O docente citado é de reconhecida competência acadêmica, e esse ataque ao trabalho acadêmico é um ataque à liberdade de opinião, de discussão, de pesquisa, de ensino e de trabalho. Trata-se de uma perseguição política escancarada que se soma ao conjunto de perseguições que vários docentes tem passado no Brasil e no mundo. A ação do MEC é abusiva e desnecessária.

Essas medidas impostas, têm como objetivo perseguir, reprimir, criminalizar, amedrontar e impedir o livre debate e o ensino independente! Não podemos aceitar essas práticas! Todo apoio ao docente Luis Felipe Miguel!

Fonte: APUFPR-SSind

19 de fevereiro de 2018

Na manhã de hoje (19), a APUFPR-SSind participou das mobilizações contra a Reforma da Previdência no Centro de Curitiba com o apoio de diversas entidades que fazem parte do Fórum de Lutas do Paraná. Os atos começaram com uma panfletagem no Terminal Guadalupe, seguiram para o prédio do INSS e foram finalizados com uma aula pública na Boca Maldita.

Para o presidente da entidade, Herrmann Vinícius de Oliveira Muller, a pressão da população para prorrogar a votação dessa Reforma já teve efeito no final do ano passado e agora a luta é para anular essa medida.

“Temos feito um papel extremamente importante de realizar as manifestações com outros sindicatos, para alertar os trabalhadores sobre os impactos que a Reforma da Previdência pode ter sobre todos nós. Esses panfletos não têm nenhum vínculo partidário ou com alguma entidade em particular, porque o nosso interesse é de conscientizar a população para somar esforços contra esse ataque aos nossos direitos”, destacou Herrmann.

5 mentiras do governo Temer sobre a Reforma da Previdência

Nas últimas semanas, o governo Temer mostrou que está disposto a tudo para aprovar a Reforma da Previdência. As mídias sociais do Planalto se transformaram em uma verdadeira campanha pela aprovação do projeto. Além de contar com o apoio da imprensa tradicional, o presidente também angariou espaço nos programas de auditório de Ratinho e de Silvio Santos, que chegam às casas de milhões de brasileiros.

Os pronunciamentos seguiram um tom de alarmismo barato: Temer reforçou que, se a Reforma não for aprovada urgentemente, o Brasil vai quebrar. Para defender o indefensável, o presidente chegou a argumentar que a regras atuais perpetuam o “privilégio dos ricos”. Mesmo com esse grande investimento publicitário, o projeto segue com notável rejeição social.

Alguns pontos do texto foram negociados entre o Planalto e os deputados federais. Como num balcão de negócios, o Governo Federal “rifou” direitos dos trabalhadores em busca dos votos necessários para a aprovação do projeto.

Para a maioria dos brasileiros, no entanto, as mudanças continuam drásticas e correspondem, na prática, à dificuldade de acessar uma aposentadoria digna.

Veja quais são as 5 grandes mentiras do governo Temer sobre a Reforma da Previdência e os servidores públicos:

1) Existe um rombo na Previdência Social

O discurso sobre a urgência da Reforma está baseado em um suposto rombo da Previdência Social. No entanto esse deficit não passa de uma manobra contábil do governo e da grande imprensa, que não levam em consideração que a Previdência Social faz parte da Seguridade Social, integrada também pela Saúde e pela Assistência Social.

Ao ignorar essa característica, o governo faz uma conta falaciosa: pega as contribuições previdenciárias do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) – apenas uma das fontes de renda da Previdência – e subtrai dessa receita o total dos gastos com os benefícios previdenciários.

A verdade é que além das contribuições destinadas ao INSS, a Constituição Federal prevê arrecadação por meio da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS), da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e da receita de concurso de prognóstico. Se todas as formas de custeio forem consideradas, o que se constata é um superavit da Previdência Social.

Além disso, empresas privadas devem mais de R$ 450 milhões à Previdência, como comprovado em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada no Senado Federal.

2) Não há alternativas ao rombo a não ser a aprovação da Reforma

O governo omite que, além de fazer vistas grossas à dívida das empresas privadas com a Previdência, concedeu isenção de impostos a petroleiras e grandes produtores rurais que ultrapassa R$ 1 trilhão. O valor representa mais que o dobro dos cerca de R$ 470 bilhões que o governo pretende economizar com a Reforma.

3) A Reforma vai combater privilégios

Ao afirmar que a Reforma vai combater privilégios, o governo Temer está claramente tentando colocar um trabalhador contra o outro. Quem mais sofre com esse discurso são os servidores públicos, vítimas de uma antiga estratégia de desmoralização.

Na prática, não há privilégio nenhum: os servidores federais que ingressaram antes de 2013 contribuem com pelo menos 11% do total de seu salário, repasse que continua sendo feito mesmo depois da aposentadoria. Além disso, desde 1998, a aposentadoria do servidor público também está sujeita a idades mínimas, que são de 60 anos para os homens e 55 para as mulheres. Outro ponto mascarado pela imprensa e pelo governo é que, desde 2013, nenhum servidor público federal terá aposentadoria acima do teto do INSS, a não ser que contribua para planos privados.

4) A Reforma não vai afetar os direitos dos trabalhadores

Se aprovadas, as mudanças propostas pelo governo Temer vão diminuir o valor dos benefícios previdenciários e dificultar o acesso de milhões de brasileiros a um futuro digno. As idades mínimas serão de 65 anos para os homens e de 62 para as mulheres. Para acessar 100% do benefício, ambos terão que contribuir por 40 anos.

5) Com a Reforma, outras áreas sociais vão receber investimentos

Sabe-se, na verdade, que a economia que o governo Temer pretende fazer com a Reforma serve para injetar ainda mais dinheiro no pagamento da inaceitável dívida pública, que favorece unicamente o sistema financeiro nacional e internacional. Rentistas e bancos vêm abocanhando, nos últimos anos, cerca de metade do Orçamento Geral da União, cenário que tende a se agravar caso a Reforma seja aprovada.

Fonte: APUFPR-SSind

[/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

12 de outubro de 2017

Post_Visitas Diretoria_APUFPR_Site

Na próxima semana a diretoria da APUFPR-SSind visitará os campi de Jandaia do Sul e Toledo e o Setor Palotina da UFPR para debater com os docentes questões relativas a carreira.

Em Jandaia do Sul a visita será em 19 de outubro, a partir das 9h com uma mesa formada pelo presidente do sindicato, Herrmann Vinícius de Oliveira Muller, o vice-presidente sindical, Raimundo Tostes, o professor da UNESPAR Renan Araújo e o professor Eduardo Teixeira da Silva da UFPR.

Os participantes poderão analisar a atual conjuntura das universidades e discutir a progressão docente, saúde do trabalhador e garantia de direitos. Também será feita a abertura simbólica das atividades do Clube de Xadrez da APUFPR-SSind.

Em Toledo, no dia 20, o tema das discussões será o congelamento da carreira docente e do salário, além das progressões. Os debates começam às 13h30.

Também em 20 de outubro o Setor Palotina recebe as atividades a partir das 16h para discutir assuntos de interesse da categoria e será feito o lançamento do Movimento Educação Democrática no Paraná, às 19h.

Serviço

Visita da diretoria da APUFPR-SSind ao interior

Campus avançado de Jandaia do Sul

Data: 19 de outubro (quinta-feira)

Horário: a partir das 9h

Programação:

– Análise de conjuntura

– Progressão docente, saúde do trabalhador e garantia de direitos

– Abertura simbólica das atividades do Clube de Xadrez da APUFPR-SSind

Campus de Toledo

Data: 20 de outubro (sexta-feira)

Horário: 13h

Programação:

– Progressão docente, congelamento da carreira docente e do salário

Setor Palotina

Data: 20 de outubro (sexta-feira)

Programação:

16h – Progressão docente, congelamento da carreira docente e do salário (bloco III, sala 12)

19 – Lançamento do Movimento Educação Democrática no Paraná (bloco I, sala 2)

Fonte: APUFPR-SSind

13 de setembro de 2017

Post_SiteA reunião mensal dos docentes aposentados da APUFPR-SSind de setembro contará com uma palestra sobre alimentação. O tema é A Teoria da Memória como Instrumento no Estudo Antropológico nas Relações Homem/Alimento e o professor aposentado Ivan Domingos Carvalho Santos irá falar sobre o tema.

O encontro será realizado no dia 26 de setembro, às 15h, na sede da entidade e é mais uma oportunidade para que os filiados possam debater assuntos de seu interesse. Todos os meses as reuniões contam com uma atividade diferente, e os aposentados ainda podem aproveitar uma confraternização após a reunião com um delicioso café da tarde.

Serviço

Reunião de docentes aposentados

Data: 26 de setembro (terça-feira)

Horário: 15h

Local: sede da APUFPR-SSind

Pauta:

– Informes

– Palestra A Teoria da Memória como Instrumento no Estudo Antropológico nas Relações Homem/Alimento

Fonte: APUFPR-SSind


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS