tamanho para facebook finalO Seminário Estadual BNCC e Formação de Professores: por uma educação de qualidade socialmente referenciada, realizado em 24 de agosto, propôs o debate sobre o projeto educacional que o Governo Federal pretende implementar e seus impactos na educação pública.

Organizado pela APUFPR-SSind em parceria com outras entidades, coletivos e com a Universidade Federal do Paraná (UFPR), o evento atraiu docentes de várias universidades do estado, professores da educação básica, que lotaram o Teatro da Reitoria. Alunos do ensino médio e de cursos como Pedagogia e outras licenciaturas também compareceram em peso para participar das discussões.

Debates

O Seminário foi idealizado para ampliar o debate sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e seus desdobramentos, analisando suas potenciais consequências. As mesas foram transmitidas pela internet, através da página da campanha Educação Sim, Retrocesso Não no Facebook. Com isso, docentes de todo o país puderam acompanhar e contribuir com os temas abordados, democratizando ainda mais a participação na discussão.

tamanho para site-3Durante todo o dia, os participantes puderam refletir sobre o que a implantação da BNCC irá acarretar para estudantes da educação básica, e também para a própria universidade pública, que terá que adequar a dinâmica da formação de professores e os currículos dos cursos aos parâmetros do projeto educacional do Governo Federal.

Integrante da organização do evento, a docente do Departamento de Planejamento e Administração Escolar da UFPR Monica Ribeiro da Silva avaliou que a participação dos alunos e professores no Seminário mostrou a insatisfação geral com as novas propostas governamentais para a educação. “Decidimos fazer esse evento justamente porque sentimos a preocupação das pessoas em relação a essas políticas. O que a gente viu é que há uma posição crítica, principalmente quanto à padronização curricular”, afirmou.

Para o presidente da APUFPR-SSind, Herrmann Vinícius de Oliveira Muller, o debate teve um papel estratégico muito importante para a luta contra os retrocessos.

“O Seminário é um marco histórico para a educação no Paraná porque foi um espaço para as pessoas pensarem sobre a conjuntura nacional que estamos enfrentando. A APUFPR-SSind se juntou a outras entidades na organização desse evento porque entende que precisamos unir nossas pautas e construir um enfrentamento coletivo”, defendeu Herrmann.

tamanho para site 1-finalCampanha Educação Sim, Retrocesso Não foi oficialmente lançada no evento

O evento foi escolhido para o lançamento oficial da campanha Educação Sim, Retrocesso Não, elaborada pela APUFPR-SSind em conjunto com várias entidades, coletivos estudantis e acadêmicos.

Materiais informativos sobre as pautas da campanha e os perigos do projeto educacional do Governo Federal para o futuro do país foram distribuídos no Seminário.

De acordo com Herrmann, a ação teve um momento oficial para começar, mas não tem hora para acabar: a iniciativa dura enquanto durarem os retrocessos. “Enquanto não barrarmos essas contrarreformas na educação, que atacam diretamente a formação dos trabalhadores e da juventude, a campanha continua”, explicou.

Quem quiser apoiar a campanha pode acessar a página no Facebook (www.facebook.com/EducacaoSim) ou o hotsite (www.educacaosim.org.br).

Seminário também foi marcado por apresentações culturais

Alunos do Colégio Estadual do Paraná (CEP) aproveitaram o espaço para utilizar arte e cultura como ferramentas políticas. Os estudantes fizeram apresentações musicais, performáticas e teatrais para expressar a preocupação com os rumos da educação pública brasileira.

Todas as atividades culturais e os debates do Seminário podem ser assistidos diretamente na página oficial da campanha Educação Sim, Retrocesso Não no Facebook.

E para checar todas as Fotos do evento clique AQUI.

Fonte: APUFPR-SSind