Reivindicação antiga, novo Sistema de Progressão Docente é lançado na UFPR

31 de julho de 2017

apufprEm 21 de julho, a Universidade Federal do Paraná (UFPR) lançou o novo Sistema de Progressão Docente. A partir de uma base de dados única, a ferramenta automatiza etapas desse processo, tornando-o mais transparente e confiável.
A implementação do sistema – desenvolvido pelo Centro de Computação Eletrônica (CCE) da Universidade – era uma reivindicação antiga dos docentes, pois facilita as progressões e oferta um banco de dados importante para todo o planejamento institucional.
De acordo com o presidente da APUFPR-SSind, Herrmann Vinícius de Oliveira Muller, a implementação da ferramenta representa a desburocratização do processo de progressão docente.
“A carga burocrática dos professores aumentou bastante nos últimos anos e essa modernização era necessária há muito tempo. Com o novo sistema, a categoria terá mais tempo para se dedicar às atividades efetivamente acadêmicas. Sem a ferramenta, o trabalho dos docentes era prejudicado, pois gastavam muito tempo com a parte burocrática do processo”, ressaltou o presidente.
Início da mudança
Desde outubro de 2009, a progressão automática está entre as reivindicações da APUFPR-SSind junto à Reitoria. No início de 2011, a entidade recebeu inúmeras reclamações dos professores da UFPR com relação ao aumento da morosidade dos processos de progressão funcional, que chegavam a demorar mais de oito meses.
Na época, a principal crítica dos docentes era sobre o preenchimento de um formulário extenso e complexo, que possuía uma grande quantidade de informações que já eram de conhecimento da Universidade.
Após a intensa mobilização da categoria, que resultou na greve dos professores no segundo semestre de 2011, os processos para a progressão funcional da carreira já passaram a ser mais eficientes na UFPR.
O acordo firmado após a mobilização previa a aprovação de todos os processos encaminhados para a Comissão Permanente de Pessoal Docente (CPPD) e, em um segundo momento, a instalação da progressão automática.
Esse processo avançou de forma lenta durante a gestão anterior da Reitoria. Nos últimos dois anos, na gestão do ex-reitor Zaki Akel Sobrinho, a diretoria da APUFPR-SSind foi recebida apenas uma vez para discutir essa e outras demandas dos docentes.
Essa falta de diálogo retardou ainda mais a implementação do sistema e somente agora – após seis anos da greve – a ferramenta finalmente virou realidade para os professores.
Sistema ainda não atende a reivindicação original dos professores
De acordo com o docente do Departamento de Saúde Comunitária (DSC) da UFPR Rogério Miranda Gomes a implantação do sistema é fruto da mobilização dos professores.
“O sistema implantado pela administração é um avanço. Porém ainda não garante a progressão automática – reivindicação original da categoria. A ideia é que, uma vez cumprido o interstício, o docente não precisasse encaminhar mais nenhum processo. Um sistema informatizado faria isso automaticamente, captando os dados dos vários sistemas e bancos disponíveis”, afirma.
O professor ressalta que a categoria comemora a informatização do processo, mas, ao mesmo tempo, espera que a administração continue trabalhando para atender a reivindicação original dos docentes.
Fonte: APUFPR-SSind


Últimos posts



BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS