Participe: Ato #8M de 2022 será pela vida das mulheres

participe-ato-8m-de-2022-sera-pela-vida-das-mulheres.jpg

Participe: Ato #8M de 2022 será pela vida das mulheres

Com o mote “Pela vida das mulheres, Bolsonaro nunca mais! Por um Brasil sem machismo, sem racismo e sem fome”, o Dia Internacional da Mulher, em 8 de março, terá ações em todo o Brasil. Em Curitiba, a concentração acontecerá na Praça Santos Andrade, às 16h30, com apresentações culturais e atos políticos. A APUFPR estará presente e convida toda a categoria docente a participar.

Será o primeiro grande ato de massa de 2022, ano que nos demanda reagir contra os retrocessos e ataques aos direitos das mulheres. É preciso mostrar a nossa indignação. De 2016 (ano do golpe) a 2020, o gasto do Estado com políticas para as mulheres caiu de R$ 139,4 milhões para R$ 36,5 milhões. A redução ocorreu inclusive no decorrer da pandemia da Covid-19, e ampliou a situação de vulnerabilidade das mulheres.

A diretoria da APUFPR reitera a importância de fazer parte dos atos realizados nesse dia, porque também serão denunciados os ataques do Governo Federal ao serviço público, e o descaso e a omissão frente às mulheres negras e periféricas, que já têm suas vidas atravessadas pela miséria, violência, extrema pobreza, desemprego e a fome, e ainda precisam encarar a redução das políticas públicas que lhe garantem os direitos mais básicos.

As organizações dos atos de rua orientam que as participantes sigam os protocolos de segurança sanitária, com utilização de máscara tampando boca e nariz, além de higienização das mãos com álcool 70% e distanciamento social.

Confira a programação:

16h30: Praça Santos Andrade – concentração e apresentação cultural de todos os coletivos, movimentos, blocos (esquenta para a marcha)

 

Ato 1

17h45: Praça Santos Andrade

Mulheres Ciganas

Mulheres Indígenas: Somos a Raiz e a Cura dessa Terra.

Mulheres de Terreiro: Deus é Mãe e Todas as Ciências Femininas, a Poesia, as Rimas

18h30 – saída da marcha João Negrão, Marechais, XV de Novembro até a Boca Maldita.

Ato 2

Esquina das Marechais: “Se Você Defende o Serviço Público, Vire à Esquerda”

Ato 3

Rua XV: “Ser Mulher e Negra é Minha Essência e Não a Minha Sentença!”

Ato 4

Na Boca Maldita: “A Luta por Moradia é o Grito das Mulheres que Não Suportam Mais Viver Caladas”

Encerramento: Cantoria Feminista Curitiba – “A Arte Pela Diversidade, Contra Toda Forma de Racismo, Machismo e Opressões”.

Fonte: APUFPR


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS