Gazeta do Povo lança “Monitor da Doutrinação” e retoma vigilância sobre docentes típica da ditadura militar

Gazeta do Povo lança “Monitor da Doutrinação” e retoma vigilância sobre docentes típica da ditadura militar

2018-12-03T11:21:41+00:0007 dezembro 2017|

monitor-da-doutrinacao-divulgacao-3-RyV6QqXqgJ1TpO8yf6B2p6K-1200x800@GP-WebNa última quarta-feira (6), o ex-jornal Gazeta do Povo – que pretende se consolidar como o portal de internet mais reacionário do Brasil – lançou o “Monitor da Doutrinação”, uma medida que resgata a prática da vigilância repressiva sobre os docentes das escolas e universidades que vigorou durante os anos mais duros da ditadura militar no Brasil.

O grupo econômico que controla o portal – e monopoliza a velha mídia do estado – assume um papel que seria impensável até há pouco tempo para a imprensa: se tornar um órgão repressor. Algo como o Serviço Nacional de Inteligência (SNI), que tinha o papel de encontrar e prender aqueles considerados subversivos durante os governos militares.

A plataforma incentiva as denúncias daquilo que o portal classifica como “doutrinação ideológica e política” em escolas e universidades do país. Embora não fique claro o que esse termo significa, basta uma olhada rápida na plataforma e na editoria de educação do portal para entender os critérios que eles usam para fazer essa classificação.

O texto divulgado pelo portal reforça a paranoia que certos setores da sociedade estão criando contra professores de todos os níveis educacionais, acusando-os de fazer o alistamento massivo e programado de alunos para uma “facção política ou ideológica”, como se diariamente os alunos estivessem sendo seduzidos para se alistar nas fileiras das organizações políticas “de esquerda”.

Mas os absurdos não param por aí. A justificativa para a criação da plataforma é de que com ou sem o Programa Escola sem Partido – do qual o portal é um dos maiores propagandistas –, os professores devem “respeitar direitos e deveres para uma boa formação dos estudantes”. Mas eles deixam claro o entendimento sobre a tarefa de docentes: unicamente repassar o conteúdo presente nos materiais didáticos. Nada mais.

A nefasta onda de conservadorismo que atinge o Brasil tem dado espaço para que esses projetos se desenvolvam, inclusive em meios de comunicação que deveriam ter o papel social de informar a população da maneira equilibrada sobre o que acontece na sociedade, gerando reflexão sobre os mais diversos temas. Mas aqui o único componente que interessa ao portal de internet é o econômico.

Esse monitor é mais uma estratégia para forçar a aprovação do Programa Escola sem Partido, proposta de lei que visa eliminar a discussão de assuntos políticos e sociais no ambiente escolar a partir de uma censura de conteúdos de ensino e da prática da docência, incluindo medidas de punição aos professores que não seguirem as regras, que deverão ser fixadas em todas as salas de aula.

Mesmo estando em tramitação no Congresso Nacional e em câmaras municipais, as ideias do Programa têm influenciado ações como a do ex-jornal, que ignora mecanismos legais já existentes e que garantem a liberdade de cátedra e o direito à ampla aprendizagem, assegurando uma educação democrática, livre e de qualidade.

A APUFPR-SSind repudia a atitude da Gazeta e segue lutando para defender o direito dos professores de ensinarem as mais diversas visões de mundo aos seus alunos, construindo uma sociedade tolerante, justa e consciente.

Fonte: APUFPR-SSind