Autor: Midias Abridor

APUFPR-Confraternizacao-professores-REDES.jpg
24 de novembro de 2022

No dia 15 de outubro, os professores do setor Palotina e do campus Toledo participaram de uma confraternização promovida pela APUFPR em homenagem ao Dia dos Professores.

Depois de dois anos sem atividades coletivas por causa da pandemia de Covid-19, a APUFPR pôde voltar a promover um evento repleto de alegria e companheirismo.

Foi um momento muito esperado. Os docentes das duas unidades estavam ansiosos para participar desse reencontro e comemorar também o retorno à vida social, dificultada pelo negacionismo do governo atual através do atraso das vacinas.

A diretoria da APUFPR frisou o quanto esses encontros são importantes também para abertura de diálogos que fortalecem e unem a categoria. E, como sempre, se colocou à disposição para trabalhar em prol das lutas das da categoria e da universidade pública, gratuita e de qualidade.

Confira fotos do evento:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: APUFPR

APUFPR-Reuniao-coletivo-aposentados-cancelada.jpg
24 de novembro de 2022

Diante do aumento do número de casos da Covid-19, a APUFPR optou por cancelar a reunião do Coletivo de Professores Aposentados que seria realizada no dia 29 novembro, no Auditório da entidade.

Em outubro, o índice de testagem positiva dos exames para Covid era de 7,3%. Já em novembro, subiu para 20,8%.

A média móvel passou de 94, no dia 31 de outubro, para 337, no boletim de 16 de novembro, segundo dados da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Além disso, há um crescimento considerável da quantidade de casos de pessoas com problemas respiratórios. Só na terceira semana de novembro houve um aumento de 10% na procura por atendimento nas Unidade de Ponto Atendimento (UPAS).

 

Retomada das medidas preventivas

Diante desse aumento dos casos de Covid-19 e outras doenças respiratórias, é importante retomar o uso de máscaras, a higienização das mãos, ventilação dos ambientes e o distanciamento social para reduzir a transmissão das doenças de contágio respiratório.

As atividades presenciais serão retomadas assim que o número de casos positivos diminua e o cenário ofereça segurança aos docentes aposentados. Agradecemos a compreensão de todas e todos.

 

Fonte: APUFPR

2°-ENCONTRO-O-APOSENTAR-DOCENTE-Site.jpg
23 de novembro de 2022

Divididas em dois grupos quinzenais, as oficinas de saúde ‘O aposentar docente’, organizadas pela APUFPR, terão seu segundo encontro para o grupo de profissionais que está planejando sua aposentadoria na quarta-feira (30), a partir das 19h, por meio da plataforma Zoom.

Com o acompanhamento de profissionais da Psicologia, que facilitam os encontros virtuais, as oficinas buscam refletir sobre o período de aposentadoria e compartilhar experiências e sentimentos sobre este momento tão importante.

As atividades desta quarta serão facilitadas pelos psicólogos Larissa de Lima Coelho Barbosa e Daniel Luca Dassan da Silva.

O outro grupo é formado por docentes já aposentados, e terá a data de seu segundo encontro divulgada em breve.

 

 

O link do para acessar a oficina via Zoom é:

https://us02web.zoom.us/meeting/register/tZModOuqqD4oGNfqmby07VRVXEqS2eTwg7X6

APUFPR-A-copel-e-nossa.jpg
22 de novembro de 2022

Contra a privatização da Companhia Paranaense de Energia (Copel) pelo governo de Ratinho Jr., movimentos sociais paranaenses criaram um manifesto online direcionado ao Executivo e ao Legislativo estaduais.

O texto do manifesto, que pode ser assinado aqui, faz 13 reivindicações ao poder público, que incluem a não privatização e o aumento dos ativos da Copel, além da contratação apenas de funcionários próprios e da aplicação de 50% dos lucros na educação e 50% na saúde, entre outros pontos.

O governo estadual do Paraná encaminhou, na segunda-feira (21), o projeto de lei para privatizar a Copel e sugeriu que este tramite em regime de urgência.

Em vez de tentar uma privatização “clássica”, com a venda direta de ações ou da totalidade da estatal para um comprador, Ratinho Jr adota a mesma manobra que Bolsonaro usou para privatizar a Eletrobras: vai dissolver ações no mercado.

Segundo informações do governo, o estado pretende manter, no máximo, 15% do capital social e 10% das ações com direito a voto.

Com isso, o governo estadual deixaria de determinar o que a empresa vai fazer, por exemplo, com os lucros obtidos. Assim, em vez de utilizar o recurso arrecadado para promover desenvolvimento econômico e social ou investir em projetos e programas que beneficiam a população mais carente (inclusive, com redução da tarifa de luz), a empresa tenderá a destinar todo o lucro para acionistas.

De olho nas eleições presidenciais de 2026, Ratinho Jr parece querer despontar-se como um radical para colher a “herança” bolsonarista, com atitudes antidemocráticas que mostram seu compromisso exclusivo com as “elites” e desprezo pela população. E não é por necessidade de dinheiro: em 2022, Ratinho Jr aumentou para R$ 18 bilhões a isenção a grandes empresários e ao agronegócio.

 

A Copel ainda é nossa porque lutamos por ela

Em 2021, o então governador Jaime Lerner tentou privatizar a Copel, mesmo diante da resistência da população, que chegou a ocupar a Assembleia Legislativa do Paraná e, com muita coragem, enfrentou a forte repressão policial.

Naquela ocasião, professores, estudantes e técnicos da UFPR se uniram a outros setores da sociedade para liderar o movimento de resistência contra a privatização da estatal.

 

Assista o vídeo aqui: https://globoplay.globo.com/v/2301963/

 

Na época, apesar de conseguir aprovar a privatização (com apenas 1 voto de diferença contra o projeto de iniciativa popular que impedia a venda), não foi efetivada porque não houve compradores interessados, justamente por causa da resistência popular.

Assim como hoje, não havia naquela época justificativa plausível para a privatização, pois a Copel já era, naquela época, uma das maiores e mais lucrativas empresas do setor no mundo.

Quem saiu perdendo foi Lerner, que manchou de forma irreversível sua reputação a ponto de ter que mudar-se para o Rio de Janeiro para tentar uma “sobrevida” na política (o que também não deu certo).

Tudo isso aconteceu em um contexto histórico muito diferente, quando o neoliberalismo estava em alta e as privatizações eram feitas a toque de caixa por pressão do Banco Mundial e outros organismo que hoje perderam força. Ou seja, a opção de Ratinho Jr é deslocada da conjuntura atual, até porque a maioria da população brasileira optou por outro projeto de sociedade ao eleger Lula.

 

Fonte: APUFPR

FOTO-CAPA-GALERIA-E-FOTO-DESTAQUE-SITE-1-1.jpg
21 de novembro de 2022

Celebrando a derrota do projeto autoritário e negacionista de Jair Bolsonaro e a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva na eleição presidencial, a APUFPR realizou, em 18 de novembro, uma roda de samba para celebrar a Democracia.

Professores, seus amigos e familiares lotaram o Bar da APUFPR e você pode conferir no vídeo que produzimos.


As eleições representaram uma grande vitória para a Democracia brasileira e para a universidade pública, que sofreu os maiores ataques de sua história durante o governo Bolsonaro.

Foram anos de muita luta e resistência. Os docentes tiveram papel fundamental na disputa para salvar o Brasil. Por isso, a roda de samba promovida pela APUFPR foi um momento especial para festejar a disposição de luta da nossa categoria.

Fonte: APUFPR

 

 

APUFPR-Horario-de-expediente.jpg
21 de novembro de 2022

Para aprimorar os mecanismos de proteção aos dados da APUFPR e de seus filiados, o sindicato fará uma oficina sobre o tema com seus funcionários nesta terça-feira (22).

Por isso, o atendimento nas sedes neste dia será até 16 horas.

Na quarta-feira (23), o atendimento volta ao horário normal.

 

Fonte: APUFPR

APUFPR-Farra-ead.jpg
17 de novembro de 2022

Balanço do Ministério da Educação (MEC) comprova o crescimento acelerado da modalidade de ensino à distância (EAD) no país. Entre 2011 e 2021, o número de novos alunos nos cursos superiores da graduação quadruplicou. No mesmo período, a quantidade de ingressantes em cursos presenciais diminuiu 23,4%.

Se, em 2011, os ingressos por meio de EaD correspondiam a 18,4% do total, em 2021, esse percentual chegou a 62,8%. Esse aumento é estarrecedor porque a expansão vem ocorrendo de forma descontrolada desde o golpe que levou Temer à Presidência em 2016, sem garantias de que os cursos estão sendo ofertados com qualidade.

Os dados foram divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e pelo Ministério da Educação (MEC), em coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira, 4 de novembro.

O quadro geral é revelador. O censo da Educação Superior 2021 registrou 2.574 instituições nessa modalidade. Dessas, 87,68% (2.261) eram privadas e 12,2% (313), públicas. Nesse contexto, a rede privada ofertou 96,4% das vagas. Já a rede pública foi responsável por apenas 3,6% das ofertas. O número de matrículas também seguiu a tendência de crescimento dos últimos anos e chegou a mais de 8,9 milhões.

Nesse contexto, podemos dizer que a pandemia acelerou um processo que já estava em curso e impõe novos desafios e complexidades para a legislação e para a gestão dos modelos educacionais. Isso porque são milhões de professores e professoras sendo formados por meio de plataforma virtual, diante de um cenário de educação que ainda não está totalmente adaptado à era digital.

Atualmente, se considerarmos a formação de docentes, por meio de licenciaturas, por exemplo, mais de 60% dos professores graduados no país se formaram por meio de EAD. Das 1.648.328 matrículas na licenciatura, em 2021, 35,6% foram registradas em instituições públicas e 64,4%, em privadas.

 

Cada vez mais longe

Um dos objetivos dos cursos à distância é esvaziar os espaços de debates, troca de vivências e divergências que são proporcionados em sala de aula convencional.

São momentos como esses que ajudam a formar o pensamento analítico e crítico, que tanto incomoda as “elites” da sociedade que desejam que tudo sempre permaneça como está.

 

Tutto in famiglia

Importante lembrar que Beth Guedes, irmão do ministro da Economia, Paulo Guedes, é presidente da Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup), entidade que representa os interesses do empresariado do setor. No apagar das luzes do atual governo, ela foi indicada pelo presidente Jair Bolsonaro para integrar o Conselho Nacional da Educação que tem, entre suas atribuições, a aprovação de novos cursos.

Esse debate é urgente porque os dados já demonstram que esse é um caminho sem volta. Nos últimos dez anos, a modalidade EaD teve um acréscimo de 23,3% (24,2% em instituições privadas), enquanto o ingresso em graduações presenciais reduziu 16,5%. O comparativo confirma a tendência de crescimento do ensino a distância ao longo do tempo. Em 2019, pela primeira vez na história, o número de ingressantes em EaD ultrapassou o de estudantes que iniciaram a graduação presencial, no caso das instituições privadas. Nessa rede de ensino, 70,5% dos estudantes, em 2021, ingressaram por meio de cursos remotos.

 

Fonte: APUFPR

APUFPR-CONAD-do-ANDES-SN-indica-desfiliacao-da-CSP-Conlutas.jpg
16 de novembro de 2022

Realizado em Brasília nos dias 12 e 13 de novembro, o 14º Conad Extraordinário deliberou por encaminhar ao 41º Congresso do ANDES-SN – que será realizado em fevereiro de 2023, no Acre – a desfiliação do sindicato nacional da CSP-Conlutas.

Os delegados também aprovaram a organização, no próximo ano, de um seminário sobre a organização da classe trabalhadora e também a continuidade da construção de espaços aglutinadores das lutas.

O Conad Extraordinário aconteceu em Brasília-DF e contou com a presença de representantes de 75 seções sindicais, sendo 69 delegados, 116 observadores, 6 convidados e 31 diretores do ANDES-SN.

 

Debates e ato contra racismo

A decisão relativa à desfiliação da CSP-Conlutas foi aprovada no domingo (13), durante a plenária do Tema 2 Questões Organizativas, intitulada “CSP-Conlutas: balanço sobre atuação nos últimos dez anos, sua relevância na luta de classes e a permanência ou desfiliação da Central”.

Após profundo debate entre os participantes, a proposta “Indicar ao 41º Congresso a desfiliação do ANDES da CSP-Conlutas” foi aprovada com 37 votos favoráveis, 22 contrários e 5 abstenções, demonstrando a compreensão de que a filiação à central sindical não cumpriu e não cumpre com o propósito de fortalecer a luta dos docentes.

Após a deliberação, os presentes debateram os textos de resoluções do Caderno de Texto, previamente analisados nos grupos de trabalho no dia anterior.

Os textos tematizavam a atualização do debate sobre movimento docente, o fortalecimento do ANDES-SN, o papel de uma Central Sindical no cenário atual, a construção de uma Universidade Popular e a reconstrução do país.

O 14º Conad contou ainda com uma manifestação contra o racismo, na qual docentes participantes do evento marcharam até a Praça Chico Mendes e contestaram as políticas de Jair Bolsonaro contra a população negra.

 

Fonte: APUFPR

APUFPR-Samba-da-democracia-REDES.jpg
16 de novembro de 2022

“Apesar de você amanhã há de ser outro dia” – o samba de Chico Buarque resume o sentimento de esperança dos brasileiros pelo fim do desastroso (e perverso) governo de Jair Bolsonaro, derrotado nas eleições de 30 de outubro.

Após a vitória de Lula, o amanhã está cada vez mais próximo e, junto com ele, a urgência de reconstruirmos nosso país.

Para celebrar os anos de resistência que culminaram na marcante vitória de Lula, a APUFPR vai realizar o “Samba da Democracia”, na próxima sexta-feira (18).

O evento será no Bar da APUFPR, com roda de samba a partir das 18h, e é aberto a toda nossa comunidade. Participe, convide seus colegas e traga sua família!

Lutamos todos esses anos contra o projeto de destruição das universidades públicas e do país. Agora é hora de comemorar e celebrar nossa força e nossa união!


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS