APUFPR-SSind participa de debate sobre tarifa do transporte público e conflitos urbanos

APUFPR-SSind participa de debate sobre tarifa do transporte público e conflitos urbanos

2019-03-18T17:16:53+00:0015 março 2019|

O aumento abusivo da tarifa de ônibus em Curitiba é a expressão de vários problemas sociais e políticos que permeiam a logística de mobilidade urbana da capital.

Entra na conta o debate sobre o direito à liberdade de circulação e acesso a cidades, e todo o rastro de corrupção e fraudes deixado pelas empresas de transporte ao longo da última década.

Para participar da discussão sobre essas questões, a APUFPR-SSind esteve na atividade Tarifa do transporte público e conflitos urbanos, realizada ontem (14) no auditório Leo Grossmann, localizado no Centro Politécnico da UFPR.

O debate foi viabilizado pelo Programa de Pós Graduação em Planejamento Urbano (PPU) da universidade, e propôs uma reflexão sobre como a falta de transparência da prefeitura na administração do transporte público se traduz em ônus nas relações públicas e privadas.

Até hoje, não se sabe exatamente quanto é o custo efetivo da manutenção do sistema, já que não há avaliação dos gastos das empresas e, portanto, a prefeitura não tem nenhum controle orçamentário efetivo sobre o setor.

A nebulosidade é uma ferramenta que favorece os esquemas de desvio de dinheiro já atestados em investigações do Ministério Público, e que acaba impactando o lado mais desprotegido dessa equação: a população que necessita diariamente do transporte público.

“As empresas privadas de transporte sobrevivem dessa relação, que pode ser observada nas prefeituras tanto de Curitiba quanto de São Paulo. É preciso saber muito bem quanto custa o serviço prestado pelas empresas e elas escapam muito dessa informação”, explicou o docente da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) Mauro Zilbovicius, que compôs a mesa do evento.

Para o Luiz Henrique Calhau, mestre em Planejamento Urbano pela UFPR, também é importante destacar o papel das prefeituras na dinâmica que favorece as irregularidades praticadas pelas empresas.

“Quando você tem um prefeito que tira uma foto ou que é flagrado fazendo uma refeição com um dos maiores empresários do transporte público três dias depois do aumento tarifário, é no mínimo suspeito que essa relação não seja tão formal ou tão formalizada quanto a gente espera, e nem tenha o tom transparente que a gente espera”, salientou Calhau, autor da tese Consolidação da Mobilidade Urbana em Curitiba, cuja apresentação deu origem ao evento.

Fonte: APUFPR-SSind

Confira aqui a íntegra do debate