Apoio aos professores substitutos da UFPR, que correm o risco de perderem o vínculo

Apufpr-Apoio-aos-professores-substitutos-da-UFPR.jpg

A pandemia da Covid-19 fez com que as atividades acadêmicas presenciais fossem suspensas em todo o Brasil como forma de frear o avanço do novo Coronavírus. Não foi diferente na UFPR. E tal situação excepcional coloca em risco a continuidade dos contratos dos professores substitutos, que podem ser extintos ou ainda se encerrarem com semestres em andamento, quando as atividades retornarem.

A APUFPR defende o tratamento mais humanizado diante dessa excepcionalidade, que seria a prorrogação dos contratos no mínimo pelo tempo equivalente à suspensão das atividades presenciais pela pandemia.

A utilização de professores temporários quase sempre significa uma forma de precarização do trabalho nas universidades. Durante o governo FHC, por exemplo, chegaram a ser 25% da força de trabalho de docentes na UFPR. Tal índice é claramente uma distorção da finalidade da função, que é a de suprir afastamentos temporários de professores efetivos e não de ocupar demandas definitivas dos departamentos de maneira emergencial, sem que se contrate de maneira definitiva.

Durante os governos Lula e Dilma, com o aumento dos recursos para as universidades, foi possível reduzir este índice, fazendo mais concursos para efetivos, suprindo algumas demandas de docentes que se encontravam represadas. No entanto, ainda hoje é possível encontrar situações em que funções permanentes seguem sendo ocupadas de maneira temporária, e a situação pode se deteriorar ainda mais com o estrangulamento financeiro das IFES promovido pelas gestões recentes do MEC e suas estranhas guerras ideológicas contra o conhecimento.

Mesmo temporários, esses professores passam por processos seletivos disputados e são extremamente qualificados, estando aptos a uma aprovação em um concurso para efetivo. Porém, o laço trabalhista precário impede que possam desenvolver projetos de pesquisa e extensão de maior duração como os professores efetivos podem fazer. Quem perde com esta insegurança é também a comunidade acadêmica como um todo. A não renovação neste momento é ampliar de maneira exponencial este problema.

Por isso, a APUFPR está apoia professoras e professores substitutos, e buscará o tratamento mais humanizado possível à situação.

 

 

Diretoria da APUFPR


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS