APUFPR apoia campanha pela libertação da advogada Susana Prieto

Susana Prieto Terrazas é uma advogada trabalhista no norte do México, região da fronteira com os Estados Unidos. Ela foi presa no dia 8 de junho por ordens do governo estadual sob acusações de motim, chantagem e intimidação de funcionários do Estado, porém os verdadeiros motivos do encarceramento são políticos, pois ela é uma importante defensora dos direitos dos trabalhadores das maquiladoras, indústrias estabelecidas no país que montam peças para empresas de outros países por baixos salários e condições precárias de segurança.

Susana Prieto vive em Matamoros, no estado de Tamaulipas, que faz fronteira com o Texas (EUA). Os operários desta região recebem salários quatro vezes menores que os seus pares do outro lado da fronteira.

Em 2019, eclodiu no México a luta dos trabalhadores chamada de ‘20/32’, que inclui aumento salarial de 20% e bônus de 32 mil pesos, seguindo promessas de campanha do atual presidente López Obrador, que dizia que aumentaria o salário mínimo. As greves e manifestações atraíram a fúria do patronato das maquiladoras, do governo de Tamaulipas e dos dirigentes sindicais pelegos e corrompidos ligados à Confederação dos Trabalhadores Mexicanos.

Susana Prieto, então, se aliou aos operários e emprestou seus conhecimentos de advogada trabalhista e militante para assessorar os movimentos contra os baixos salários e a estrutura sindical alinhada aos interesses dos Estados Unidos na região. Nasciam o Sindicato Nacional Independente dos Trabalhadores nas Indústrias e Serviços (SNITIS) e o Movimento 20-32. O SNITIS travou em 2019 uma importante luta a favor dos contratos coletivos de trabalho e contra a precarização nas indústrias.

Com a pandemia da Covid-19 chegando ao México, o SNITIS exigiu o fechamento das fábricas e o pagamento dos salários integrais aos operários durante a quarentena, além de lançar uma campanha de divulgação dos custos humanos com a doença nas indústrias maquiladoras que seguiram abertas. Assim, Susana Prieto tornou-se militante com papel importante na defesa dos trabalhadores contra os interesses patronais que querem fazer a economia funcionar a qualquer custo, não importando a perda de vidas (não muito diferente do Brasil).

A prisão dela é claramente uma ação deliberada para intimidar e criminalizar o movimento dos trabalhadores de Matamoros e de toda a região fronteiriça. Eles lutam por melhores salários, por verdadeiros contratos de trabalho, pela vida e pela liberdade de ter um sindicato desvinculado de patrões e do Estado.

Por isso é importante que advogados, sindicalistas, parlamentares, militantes de causas populares do Brasil e demais pessoas interessadas na democracia participem de uma campanha de envio de moções e cartas dirigidas à Embaixada do México no Brasil exigindo a libertação imediata da advogada Susana Prieto Terrazas.

 

 

Endereço para pressionar pela liberdade para Susana Prieto:

Embaixada do México – Brasília – DF

Email: embamexbra@cabonet.com.br

Site: http://embamex.sre.gob.mx/brasil/

 

Fonte: APUFPR


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS