Quem irá salvar o Brasil da pandemia é o Serviço Público

serviço-público-APUFPR-YT-1280x720.png

Criado em 1986, o Sistema Único de Saúde (SUS), apesar da constante falta de recursos, tem uma das maiores coberturas do mundo, pois 70% da população brasileira depende apenas dele.

Mesmo com tal importância, ele sofreu um duro golpe em 2016 no governo de Michel Temer, que foi a aprovação da Emenda Constitucional 95, que congelou os orçamentos de Saúde e Educação por 20 anos. De lá para cá, são cerca de 17% de perdas acumuladas.

Reflexo de uma mentalidade privatista importada de pensamento vindo dos Estados Unidos (aquela turma do “privatiza tudo”), o SUS sente os impactos estruturais da queda do orçamento nesta pandemia. Em 2005, eram 19 leitos por 10 mil habitantes no país inteiro e hoje são apenas 14. Um total de 70% desses leitos estão no SUS e não na rede privada, mesma proporção de respiradores artificiais, aparelhos fundamentais no tratamento.

O verdadeiro fim da pandemia será quando houver uma cura para a Covid-19 ou uma vacina capaz de evitar a infeção pelo Coronavírus. E isso demanda pesquisa. De toda a pesquisa científica feita no Brasil, um total de 95% é realizada nas universidades públicas. É fácil concluir que quem irá salvar o Brasil da pandemia é o Serviço Público.

Quem irá salvar o Brasil da pandemia é o Serviço Público

O SUS atende a pelo menos 70% da população brasileira. E 95% da pesquisa científica do país está nas universidades públicas. É o Serviço Público que irá salvar o Brasil da pandemia.

Publicado por APUFPR-SSind – Associação dos Professores da UFPR em Segunda-feira, 4 de maio de 2020

Fonte: APUFPR


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS