SUS precisa ser defendido para que Paraná vença a pandemia do Coronavírus

EM-DEFESA-DO-SUS-YT-1280x720.png

O enfrentamento da pandemia do Coronavírus Covid-19 está apenas começando. No entanto, o estado do Paraná está com sérios problemas em sua estrutura de saúde.

O primeiro problema é lidar com a verdade. O governo estadual afirma que o Paraná está preparado para enfrentar a crise sanitária e epidemiológica. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde Pública do Estado do Paraná (SindSaúde-PR), isso não é verdade.

A diretoria da entidade enviou ofício para o secretário estadual da Saúde, Carlos Alberto Gebrim Preto, propondo medidas urgentes para fortalecer o SUS no estado e evitar o estrangulamento dele a exemplo do que está acontecendo em São Paulo e no Rio de Janeiro.

“Nós não temos o suporte institucional que deveríamos ter, que seria testes para todas as pessoas com sintomas. O governo só fará em testes mais graves, que precisam de UTI. Não temos nem testes suficientes e nem leitos suficientes. A ocupação está em 95% e, com aumento de fluxo, não temos onde atender”, explicou a coordenadora-geral do SindSaúde-PR Olga Estefania.

No ofício, o sindicato, que representa os servidores que estarão diretamente atuando na contenção da crise e no tratamento da população, demonstra com dados concretos que o estado não está pronto para enfrentar o problema.

A saúde estadual está com déficit de quase 40% do número de trabalhadoras e trabalhadores exigido por lei. Assim, entre as medidas imediatas solicitadas está a contratação imediata de cerca de 4 mil profissionais para que se atinja os pouco mais de 11 mil que deveriam estar a serviço da população em situações normais.

Entre as outras medidas estão a melhora dos equipamentos de proteção individual (EPIs) que os servidores precisam utilizar e a ampliação emergencial dos leitos.

Parte dos problemas surgiram a partir da Emenda Constitucional 95, que congelou os recursos de áreas essenciais, como a saúde, por 20 anos, e fez com que se deixasse de se cumprir o piso de 15% de investimento na área.

A Emenda 95 precisa ser derrubada imediatamente para que o SUS seja fortalecido e tenha condições de enfrentar a pandemia do Coronavírus. Do mesmo modo, a economia, que já estava estagnada, sofrerá ainda mais consequências por causa da pandemia, é necessário outras medidas sejam implementadas com urgência, conforme propusemos neste artigo aqui: 18M: APUFPR sugere oito medidas para o Brasil enfrentar a pandemia do Coronavírus 

 

Fonte:APUFPR


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS