Docentes participam do II Bazar de Talentos da APUFPR e da Reunião de Aposentados

REUNIAO-DE-APOSENTADOS-26_11-MINIATURA-site-novo.jpg

Integração, convivência e arte marcaram a segunda edição do Bazar de Talentos da APUFPR, realiazada na última terça-feira (26) na sede da APUFPR.  O evento é um espaço privilegiado para docentes da ativa e aposentados manifestarem o seu talento e inventividade através do artesanato e das artes plásticas.

O encontro cumpre com o nobre objetivo de mostrar que o potencial criativo dos docentes não se limita à pesquisa e ao ensino. No evento, foi possível ver essa criatividade estampada nas pinturas em tela, itens de decoração, peças de vestuário e outros trabalhos desenvolvidos pela categoria.

Para a professora aposentada da UFPR Nair Takeuchi, responsável pela organização do bazar, o encontro é uma oportunidade para dar visibilidade a habilidades e talentos que os docentes nem sempre têm tempo de desenvolver quando estão na ativa.

“Ele é importante, também, porque nós conhecemos professores de outros setores, com outros tipos de trabalho, e essa é uma forma de conviver mais, de nos conhecermos melhor e mostrar o trabalho que fazemos”, afirma.

Já para o docente aposentado Oldemir Carlos Mangili, o bazar encanta pela diversidade de olhares que reúne. “Você vê médicos, engenheiros, professores da área de Humanas, todos trazendo a sua contribuição dentro da sua perspectiva de produzir arte. Eu acho muito bonito”, afirma.

Reunião dos aposentados

A agenda da terça-feira (26) também contou com a realização da tradicional Reunião de Aposentados da APUFPR, um espaço privilegiado para o segmento participar de discussões sobre temáticas importantes e atuais ao lado dos colegas de profissão.

Na edição de novembro, o debate foi sobre Variáveis Genéticas, Poluição Ambiental e Câncer no Paraná: Associados Frequentemente mas Negligenciados Facilmente, tema abordado pelo docente Bonald Cavalcante Figueiredo, do Departamento de Saúde Comunitária da UFPR.

Para Figueiredo, os debates e reflexões construídos coletivamente nas reuniões de aposentados podem contribuir diretamente para o acúmulo científico e crítico da UFPR. “Um grupo de aposentados dá a ideia de que é um grupo de pessoas que pararam de funcionar. De maneira nenhuma. São pessoas que estão o tempo todo pensando e questionando”, afirma.

Fonte: APUFPR


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS