Em 2017, GTSS/A da APUFPR-SSind dará continuidade à pesquisa sobre saúde docente

IMG_8373O recesso de final de ano já acabou para o Grupo de Trabalho Seguridade Social e Assuntos de Aposentadoria (GTSS/A) da APUFPR-SSind. Na manhã de ontem (18), o coletivo se reuniu para retomar as atividades – que prometem ser intensas neste ano.

Nesta primeira reunião, esteve o docente do Departamento de Saúde Comunitária da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Guilherme Souza Cavalcanti de Albuquerque, que pode contar a metodologia, a finalidade e os resultados da sua pesquisa sobre adoecimento mental dos professores da rede estadual de ensino.

A pesquisa fez parte do projeto de extensão do docente em parceria com o Sindicato dos Professores das Redes Públicas Estadual e Municipais no Paraná (APP-Sindicato). O projeto do docente foi apresentado pela APUFPR-SSind no programa Universidade Além dos Muros, da TV da entidade. Confira aqui.

De acordo com Albuquerque, a pesquisa com os professores da rede estadual não mostra a realidade do universo da categoria, apenas da amostra de cerca de mil profissionais que foram analisados.

A pesquisa revelou o grande número de professores com sofrimento mental, sendo que grande parte está relacionada ao alto número de alunos por turma, pressão por produtividade e assédio de superiores e do Estado.

“No processo dos questionários, as pessoas se conscientizam, muitas vezes, sobre o que estão vivendo. O professor acha que está tudo bem. Depois, no final do questionário, ele percebe a situação em que está inserido”, explicou o Albuquerque.

Para o docente, a matriz da pesquisa é um instrumento de identificação autônoma das necessidades de saúde, “ou seja, os próprios professores identificam o que está gerando saúde ou doença no trabalho, para então planejarem as suas lutas”.

A finalidade da discussão dessa pesquisa no GTSS/A foi a troca de experiências para ajudar nas próximas etapas da pesquisa sobre saúde dos docentes da UFPR.

“Um dos nossos objetivos, com a pesquisa na UFPR é ter uma análise macro das condições que estão levando o docente ao adoecimento”, apontou o vice-presidente da APUFPR-SSind e integrante do GTSS/A, Luis Allan Künzle.

Ao todo, foram realizadas 444 entrevistas com docentes de diferentes campi da Universidade. Agora, o coletivo partirá para a etapa de análise dos dados coletados.

Ebserh

Neste ano, o GTSS/S da APUFPR-SSind tem o foco voltado à luta contra a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

Para isso, o coletivo apontou a necessidade de retomar o diálogo com as demais entidades que compuseram o Fórum de Saúde do Trabalhador no ano passado, responsável pela produção de um dossiê contra a empresa no Hospital de Clínicas (HC) da UFPR.

O documento foi encaminhado pelo Ministério Público, denunciando diversas irregularidades no Hospital, como, por exemplo, a falta de insumos básicos e de medicamentos, a estrutura precária e a perda da autonomia universitária para ensino e pesquisa no HC.

Fonte: APUFPR-SSind


BOLETIM ELETRÔNICO


REDES SOCIAIS