Debatedoras destacam importância do acesso a diagnóstico precoce do câncer de mama

Debatedoras destacam importância do acesso a diagnóstico precoce do câncer de mama

2018-12-03T11:27:11+00:0023 out 2017|

A importância do diagnóstico precoce do câncer de mama, seguido do correto tratamento, é fator fundamental para a cura da doença, ressaltaram participantes de debate sobre o tema promovido pela Comissão da Mulher na quarta-feira (18).

O evento fez parte da programação do Outubro Rosa.

A deputada Ana Perugini (PT-SP) lembrou que são altas as chances de tratamento e cura das pacientes que conseguem receber o diagnóstico nas fases iniciais da doença. Mas para muitas mulheres essa não é a realidade.

“Quando não diagnosticado a tempo, nós temos um índice de mortalidade ainda muito alto no Brasil, sinal de que muitas mulheres não estão tendo acesso a um diagnóstico precoce, o que coloca o nosso País entre os em desenvolvimento por falta desses recursos de acesso.”

Desde 2012, uma lei estabelece prazo máximo de 60 dias entre o diagnóstico e o início do tratamento de câncer pelo SUS (Lei 12.732/12), mas a norma nem sempre é cumprida.

Dificuldades
A representante da Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio a Saúde da Mama no Conselho Nacional de Saúde (Fenama), Carolina Abad, deu um exemplo de decisão difícil que o médico precisa tomar por falta de condições para atender a todas as pacientes.

“Imagina a situação desse médico: você tem um paciente que, por mais que faça radioterapia, não vai sobreviver, e tem outro ainda com alguma chance, só que um está na frente na fila. E é isso que temos vivido diariamente em relação ao câncer no Brasil.”

 Aline Leal Gonçalves, do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas do Ministério da Saúde, explicou que o SUS oferece dois tipos de mamografia: a mamografia de acompanhamento, disponível sob pedido médico para qualquer mulher, e a de rastreamento, que é para os casos onde já existe suspeita de câncer:

“A mulher que sente alguma alteração na mama, sente um nódulo, já entra no diagnóstico precoce, porque ela já apresenta um sintoma.”

Equpamentos
Mas os exames de mamografia não são acessíveis a todas as mulheres. Em alguns estados, os equipamentos estão obsoletos, segundo a representante da Femama. Carolina Abad lembrou ainda que o Sistema de Informações sobre Pacientes com Câncer não corresponde ao total de casos da doença.

Já Aline Leal Gonçalves disse que alimentar o sistema de informações é responsabilidade dos serviços de saúde locais. Segundo ela, o Ministério da Saúde tem insistido junto aos gestores para que incluam dados no sistema sobre diagnóstico e tratamento.

Entre as mulheres, o segundo tipo de câncer mais comum, no mundo é o de mama, com mais de 2 milhões de novos casos por ano. No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer, vinculado ao Ministério da Saúde, estima que cerca de 58 mil novos casos serão diagnosticados entre 2016 e 2017. 

Fonte: Agência Câmara Notícias