tamanho para site-3A APUFPR-SSind abriu a semana comprometida com a luta contra a intolerância política e em defesa da autonomia universitária. Na tarde de ontem (15), a diretoria da seção sindical se reuniu com o reitor da UFPR, Ricardo Marcelo Fonseca, para debater a construção conjunta de uma frente nacional em defesa da democracia.

A iniciativa surgiu de orientações do ANDES-SN, que ressaltou a necessidade de que docentes de instituições federais em todo o Brasil fomentem a criação de estratégias de enfrentamento locais. Essas deliberações serão enviadas para uma reunião setorial, que acontecerá na próxima quinta-feira (18) e definirão a frente de resistência nacional a ataques movidos pelo ódio político.

A seção sindical se reuniu com a reitoria para dialogar sobre o papel da universidade na manutenção dos espaços acadêmicos como instâncias livres, sem ataques físicos, patrimoniais, morais ou institucionais.

A universidade se comprometeu a se posicionar contra qualquer desrespeito à liberdade acadêmica e intelectual dentro do campus, e a participar ativamente do enfrentamento aos casos de violência com motivação política.

tamanho para site-1Nas últimas semanas, o país tem enfrentado uma onda de barbárie baseada em intolerância política. Curitiba foi um destaque negativo nesse cenário – três dos casos com maior amplificação nacional aconteceram na capital do estado. Um deles foi precisamente ao lado do campus Reitoria da universidade, onde um aluno da instituição foi agredido a garrafadas por estar usando um boné do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Na mesma ocasião, os agressores também destruíram patrimônio da universidade.

De acordo com o presidente da APUFPR-SSind, Herrmann Vinícius de Oliveira Muller, a expectativa é que a universidade se junte ativamente ao enfrentamento diante da conjuntura, assim como outras entidades e movimentos sociais que serão chamados para a luta conjunta. “Nesse momento, entendemos que é preciso unir forças para combater a violência política e acolher as denúncias da melhor forma possível”, explicou.

O tema continuará a ser discutido pela comunidade acadêmica na Assembleia Geral Extraordinária da categoria, que acontecerá hoje (16), às 16h30, no Anfiteatro 1.100 do campus Reitoria.

Seção sindical retomou diálogo sobre estudantes processados

tamanho para site-2A APUFPR-SSind também voltou a conversar com o reitor sobre o caso dos nove estudantes que foram processados pela universidade durante a gestão de Zaki Akel Sobrinho. O grupo participou da mobilização estudantil que ocupou o prédio da reitoria em 2015 e compôs a mesa de negociação para estabelecer o diálogo com a instituição.

Na época, o então reitor afirmou que a ocupação teria causado um prejuízo de mais de R$ 470 mil ao patrimônio público. A ação impetrada pela gestão anterior solicita na Justiça indenizações no valor de milhares de reais a cada um dos estudantes, numa atitude clara de recriminar o movimento.

A seção sindical irá manter sua luta pela liberdade política e pelo encerramento do processo contra os estudantes, já que essa também é uma pauta da luta pela democracia e contra a criminalização de mobilizações populares.

Fonte: APUFPR-SSind